A Câmara Municipal de Cordisburgo se reuniu nesta segunda-feira, 22, para a reunião extraordinária do mês de Junho de 2020, recebendo a Secretária Adjunta do Secretário Municipal de Saúde, Giovana Campelo, para discutirem sobre as ações que estão sendo tomadas quanto ao enfrentamento à pandemia de coronavírus.

A presidente da Câmara, Geralda Maria, convidou o Secretário Municipal de Saúde para estar presente na reunião, mas impossibilitado de comparecer, alegando compromissos, encarregou sua Secretária Adjunta de se reunir com os vereadores.

Giovana relatou que o acompanhamento a COVID-19 já está sendo feito há dois meses, cuidando desde o início como se já houvessem casos na cidade. Disse que a cidade fechou a segunda-feira com 12 casos confirmados e mais 2 casos testados positivos nos testes rápidos do Centro Municipal de Saúde.

Relatou ainda ter sido iniciada uma blitz educativa na última semana, a fim de conscientizar a população. Disse estarem orientando aos casos suspeitos que chegam ao Centro de Saúde de permanecerem em casa em quarentena.

Quanto aos testes rápidos, relatou que foram encaminhados pelo Ministério da Saúde, e existe um protocolo que só podem serem realizados testes em pacientes após o oitavo dia de sintomas, visto que antes disso o resultado poderia ser um "falso negativo". Quanto a testagem em profissionais de saúde, estes seguem o mesmo protocolo.

O vereador Aldair questionou as providências que estão sendo tomadas pela Secretaria de Saúde para os pacientes que assinaram termo de responsabilidade para ficarem em isolamento, visto que algumas pessoas nesta situação encontram-se transitando normalmente pela cidade.

Ela respondeu que é complicado que eles forcem as pessoas a ficarem em isolamento, visto que o papel da secretaria é orientativo. Disseram que chegaram a pensar em pedir ajuda da Polícia Militar, mas neste caso a única coisa a fazer é contar com a conscientização da população, visto que eles não podem ferir o direito de ir e vir das pessoas.

O vereador Paulo Eduardo questionou se foi cogitada a implantação de uma barreira sanitária, dizendo achar ser mais eficaz as barreiras dentro da cidade, a fim de acompanhar a própria população. Diz não estar tendo esclarecimentos da Secretaria de Saúde, visto que não teve seu ofício respondido.Disse que a população está desemparada de esclarecimentos das autoridades competentes. Expôs sua revolta de duas pessoas que relataram nas redes sociais que os vereadores deveriam ter "embolsado" o dinheiro recebido para o COVID. Disse ainda que a população tem reclamado que os fiscais da cidade não comparecem para averiguar denúncias. Disse que um dos integrantes da Virgilância Sanitária está sendo um dos maiores contribuintes para aglomeração nos bares de Cordisburgo, visto que está frequentando os bares da cidade.

Giovana respondeu que fizeram uma reunião do Comitê Municipal de Enfrentamento ao Cororonavírus, mas chegaram a conclusão de que a barreira sanitária não seria eficaz, visto que não adianta a higienização dos pneus, já que o interior do veículo não é higienizado. Relatou ainda que a maior parte dos que passam pelas entradas na cidade, não param na cidade, se dirigindo a outras cidades. Completou que a blitz educativa é mais válida por acompanhar a situação da população corodisburguense, descartando assim a possibilidade da instalação de barreiras nas entradas da cidade.

O vereador Ney Freitas disse que se reuniu com o Secretário de Saúde e a presidente da Câmara, tendo relatado a ele sobre o fato a ineficácia da barreira sanitária na entrada da cidade. Questionou se a Secretaria de Saúde possui recursos para comprar testes. Dissertou que a política nacional do Ministério da Saúde pode não ser a mais eficaz, visto que países pobres como o Brasil, como é o caso da Colômbia, o número de infectados por habitante é muito menor. Relatou que o isolamento social é importante, mas que as pessoas não estão sendo contaminadas em seus locais de trabalho, mas sim em eventos particulares, dizendo ser importante a educação da população e que a Prefeitura está fazendo a parte dela e que cabe a cada um conscientizar as pessoas próximas a tomarem as medidas preventivas. Elogiou as ações da médica Dra. Mariana.

A secretária disse que a cidade recebeu um montante em torno de 101 mil reais, mas que este valor está sendo utilizado para a compra de insumos como equipamentos de proteção individual. Informou não ver a necessidade de realizar a compra de testes, pois o Ministério da Saúde enviou 260 unidades de testes rápidos para a cidade. Disse que a expectativa é de 90% da população irá ser contaminada com o vírus, mas que o isolamento é essencial para que não haja uma contaminação muito grande ao mesmo tempo, e que cada pessoa reagirá de uma forma: algumas terão sintomas, outras serão assintomáticas e algumas podem até chegar a óbito, que é difícil precisar, mas enquanto isso a solução é aguardar a vacina. Ela relatou que as pessoas da cidade estão esquecendo das outras doenças, que a cidade tem muitos casos de Dengue, pois a população não está tomando as medidas preventivas.

O vereador Péricles solicitou a veiculação de carros de som com mensagens orientativas na cidade. Ainda demonstrou preocupação com locais como bares que fecham as portas e permanecem funcionando na parte de dentro e ainda mais com as festas "fundo de quintal" e com os jogos de baralho.

O vereador Paulo solicitou que seja mostrados registros de ação dos fiscais sanitários nos comércios da cidade, como ação de cumprimento do decreto. Disse que há mercearias que aproveitam para funcionarem em seu fundo como bares.

Giovana disse que o aumento repentino de casos em Cordisburgo se deu devido à confirmação do primeiro caso, visto que a partir deste, várias pessoas que tiveram contato e sintomas, que antes não procurariam as unidades de saúde, agora tem procurado atendimento médico e sido acompanhados.

Prosseguindo a reunião, foi votado o Projeto de Lei nº 04/2020 que Estabelece Diretrizes Gerais para a Elaboração do Orçamento do Município para o Exercício de 2021 e dá outras providências, sendo aprovado por unanimidade, com emendas.

Durante a palavra livre, o vereador Paulo Eduardo disse que a população da cidade tem se comportado como criança, já que todos sabem o risco que estão correndo, e que a população tem sido negligente e culpado o poder público e a área de saúde. Pediu a mesa diretora que envie ofício ao prefeito e departamento responsável para que faça o fechamento de praças e locais que estejam acontecendo aglomeração de pessoas. Disse não adiantar fechar o comércio e a cidade aos finais de semana ficar cheia de ambulantes e que a fiscalização deve atuar também nestes dias e feriados neste situação.

Quanto ao assunto do caminhão da prefeitura que há anos está em uma oficina de Paraopeba, na data de hoje ele e o vereador Aldair estiveram no local para fiscalização, não sendo autorizados a tirar fotos, mas que irão nesta terça-feira com mais vereadores para averiguarem a situação.

Solicitou que a Secretaria de Saúde encaminhe relatório do acompanhamento de denúncias por parte dos fiscais municipais, visto que se não estiver sendo feito, fará denúncia no Ministério Público. Relatou que em contato com o prefeito, sugeriu contratar empresa especializada para realizar fiscalização na cidade. Bastante revoltado, criticou a administração municipal, dizendo que os vereadores não são palhaços.

Finalizou, dizendo não ter esquecido do caso da servidora denunciada por desvio de iPhones da prefeitura, mas que não houve tempo na reunião para falar sobre o assunto.

O vereador Erivélton agradeceu os deputados Newton Cardoso Jr e Douglas Melo pelos recursos liberados para a cidade.

Aldair sugeriu colocar uma placa proibindo a entrada de vendedores ambulantes na cidade, visto que não é o momento apropriado para recebê-los. Solicitou o fechamento do Campo Laduzão, que tem gerado grandes aglomerações.

Péricles reforçou a palavra dos vereadores e reafirmou a solicitação de fechamento do Campo Laduzão.

O vereador Gilson denunciou que uma paciente sintomática relatou que o médico Dr. Sebastião solicitou que fosse realizado o teste rápido de Covid-19 e que a enfermeira responsável pelo Centro Municipal de Saúde se recusou a fazê-lo, discutindo com o doutor, sendo a paciente encaminhada a Sete Lagoas e tendo testado positivo para a doença. Afirmou que ao averiguar a situação, dois profissionais de saúde afirmaram a ocorrência e que a envolvida na ocorrência procurou o prefeito e o secretário e que não foram tomadas providências. Pediu que seja solicitado esclarecimento sobre o assunto.

A secretária Giovana pediu a palavra e disse não saber do caso apresentado, mas que tem acontecido algumas ocorrências de que pacientes que chegam não podem ser testados por não terem sintomas pelo prazo de oito dias e que neste caso os testes podem dar "falso negativo". Alguns casos acontecem de dar negativo por este motivo e em Sete Lagoas apresentar resultado positivo por ser executado outro tipo de exame, que apresenta resultados confiáveis em um menor espaço de tempo.

Edimar disse ficar triste com este caso em Cordisburgo e disse ter pedido bastante consciência da população rural do município e que há uma grande número de pessoas de outras cidades na zona rural.

O vereador Arnaldo pediu que também passe o carro de som na zona rural para conscientizar a população. Disse que cada um tem que cuidar, pois a saúde faz a parte dela, mas que as pessoas também tem que fazer sua parte. Continuou dizendo que nestes quatro anos nada foi feito com relação ao esporte na zona rural. Solicitou ações do DER, já que há vários meses uma ponte encontra-se danificada na MG-231, ainda dizendo ser necessário o patrolamento daquela estrada.

Ney Freitas realizou uma manifestação defendendo os comerciantes de Cordisburgo, dizendo não ter visto o comércio incentivando aglomerações e que as denúncias tem que ser investigadas, mas que não tem vistos irregularidades. Disse que a Vigilância Sanitária não investiga somente Covid-19, mas que tem que acompanhar de forma geral as condições de higiene dos estabelecimentos da cidade, e que os que estão fazendo entregas também tem que ser fiscalizados, para verificar se as entregas não estão servindo como forma de contaminação.

A presidente Geralda Maria disse estar sempre trabalhando e cobrando, mas que tem sido bastante criticados por algumas pessoas. Disse não ter compromisso com ninguém a não ser com ela e os eleitores e que está fazendo o trabalho do jeito que acha necessário e pediu que as pessoas respeitem seu jeito de trabalhar. Relatou uma atitude louvável que recebeu, ao conversar por telefone com Luiz Pereira, que lhe apresentou ideias e sugestões muito pertinentes. Solicitou mais fiscalização na zona rural, visto que há muitas reclamações de aglomerações em bares, dizendo ter acontecido até cavalgada recentemente.

Continou dizendo que o secretário de saúde disse a ela que manterá o Centro Municipal de Saúde para atendimento somente de casos de urgência e emergência como a COVID-19, e que para outros assuntos a população deverá procurar as ESF's, a fim de resguardar a segurança da população.

A reunião foi encerrada com a oração do "Pai Nosso".

Confirma a reunião completa abaixo:

Postar um comentário

  1. Que pena que não foi mencionado a falta de médico no ESF CordisVida, com tantos vereadores que fazem parte dele(?) virou rotina.

    ResponderExcluir

Regras de comentário:

PROIBIDO
Comentários ofensivos.
Xingamentos.
Palavrões.
Spam.
Comentários sem relação alguma com o conteúdo.
Injúrias.

Tecnologia do Blogger.