Durante 4 quatro dias desta semana, Cordisburgo recebeu no CAT - Centro de Atendimento ao Turista, - Rua Padre João, 407, no centro da cidade - seleto grupo de participantes, que aqui se reuniram para tratar de novas formas de apresentação do sertão, para tradutores estrangeiros da obra rosiana.

Todo esse estudo e empenho, foi gerado para dar maior visibilidade para a obra do autor cordisburguense, como também, colocar o país, na perspectiva de exportador de uma poética à partir das traduções do sertão, produzidas num contexto mais cosmopolita e interativo.

Os participantes (representados por tradutores de nacionalidades diferentes), resolveram levar o mundo para o sertão (representado na cidade de Cordisburgo) e levar o sertão, para o mundo.

Neste sentido, vieram buscar uma abertura epistemológica, que seria: a tradução do seu lugar de produção e idealização, como também, a inserção do tradutor estrangeiro na cartografia do sertão mineiro; o que, acabará por se estabelecer, como um espaço pedagógico de interação entre várias culturas.

Há também, a pretensão de se produzir um pensamento teórico sem a tradução da poética rosiana "in loco" e ainda, pensar a tradução, a partir do diálogo entre potenciais difusores da literatura de João Guimarães Rosa.

Os participantes resolveram se curvar ao zelo do escritor mineiro e, entendendo a importância de se promover tradução de qualidade da obra do filho mais ilustre de Cordisburgo; escolheram por assim, realizar em sua terra natal, este evento para disponibilizar a tradutores convidados, toda a paisagem visual, tátil, gustativa e sonora da região.

Discutiram traduções em andamento e fomentaram o interesse de novas traduções de qualidade; incluindo no processo, o viés dos estudos de oralidade local e do entorno real da principal obra de João Guimarães Rosa - O Grande Sertão: veredas, em língua francesa, italiana, inglesa e alemã.

A meta principal destes participantes que se reuniram em Cordisburgo, é a criação de uma residencia de tradutores estrangeiros de Guimarães Rosa, no coração do Brasil: O Albergue do Audaz Navegante.

Por Adriano Bossi, com dados compilados da UFMG

Postar um comentário

Regras de comentário:

PROIBIDO
Comentários ofensivos.
Xingamentos.
Palavrões.
Spam.
Comentários sem relação alguma com o conteúdo.
Injúrias.

Tecnologia do Blogger.