$type=grid$count=3$m=0$sn=0$rm=0$show=home$hide=post

Carta de Guimarães Rosa conta os segredos de Sagarana


A obra Sagarana, de João Guimarães Rosa completa em 2016, 70 anos, sendo um de seus grandes clássicos.

O Portal Vermelho, traz em seu caderno Prosa, Poesia e Arte matérias, fragmentos e documentos em homenagem ao escritor.

Confira então, uma carta envida por Guimarães Rosa ao amigo e também autor João Condé, onde faz relatos inéditos sobre Sagarana.

Prezado João Condé,

Exigiu você que eu escrevesse, manu propria, nos espaços brancos deste seu exemplar de Sagarana, uma explicação, uma confissão, uma conversa, a mais extensa, possível — o imposto João Condé para escritores, enfim. Ora, nem o assunto é simples, nem sei eu bem o que contar. Mirrado pé de couve, seja, o livro fica sendo, no chão do seu autor, uma árvore velha, capaz de transviá-lo e de o fazer andar errado, se tenta alcançar-lhe os fios extremos, no labirinto das raízes. Graças a Deus, tudo é mistério.

Algo, porém, tem de ser dito. Ao autor o que é do autor, mas a João Condé o que é de João Condé.

Assim, pois, em 1937 — um dia, outro dia, outro dia... — quando chegou a hora de o Sagarana ter de ser escrito, pensei muito. Num barquinho, que viria descendo o rio e passaria ao alcance das minhas mãos, eu ia poder colocar o que quisesse. Principalmente, nele poderia embarcar, inteira, no momento, a minha concepção-do-mundo.

Tinha de pensar, igualmente, na palavra “arte”, em tudo o que ela para mim representava, como corpo e como alma; como um daqueles variados caminhos que levam do temporal ao eterno, principalmente.

Já pressentira que o livro, não podendo ser de poemas, teria de ser de novelas. E — sendo meu — uma série de Histórias adultas da Carochinha, portanto.

Rezei, de verdade, para que pudesse esquecer-me, por completo, de que algum dia já tivessem existido septos, limitações, tabiques, preconceitos, a respeito de normas, modas, tendências, escolas literárias, doutrinas, conceitos, atualidades e tradições — no tempo e no espaço. Isso, porque: na panela do pobre, tudo é tempero. E, conforme aquele sábio salmão grego de André Maurois: um rio sem margens é o ideal do peixe.

Aí, experimentei o meu estilo, como é que estaria. Me agradou. De certo que eu amava a língua. Apenas, não a amo como a mãe severa, mas como a bela amante e companheira. O que eu gostaria de poder fazer (não o que fiz, João Condé!) seria aplicar, no caso, a minha interpretação de uns versos de Paul Éluard: ...“o peixe avança nágua, como um dedo numa luva”... Um ideal: precisão, micromilimétrica.

E riqueza, oh! riqueza... Pelo menos, impiedoso, horror ao lugar-comum; que as chapas são pedaços de carne corrompida, são pecados contra o Espírito Santo, são taperas no território do idioma.

Mas, ainda haveria mais, se possível (sonhar é fácil, João Condé, realizar é que são elas...): além dos estados líquidos e sólidos, por que não tentar trabalhar a língua também em estado gasoso?!

Àquela altura, porém, eu tinha de escolher o terreno onde localizar as minhas histórias. Podia ser Barbacena, Belo Horizonte, o Rio, a China, o arquipélago de Neo-Baratária, o espaço astral, ou, mesmo, o pedaço de Minas Gerais que era mais meu. E foi o que preferi. Porque tinha muitas saudades de lá. Porque conhecia um pouco melhor a terra, a gente, bichos, árvores.

Porque o povo do interior — sem convenções, “poses” — dá melhores personagens de parábolas: lá se veem bem as reações humanas e a ação do destino: lá se vê bem um rio cair na cachoeira ou contornar a montanha, e as grandes árvores estalarem sob o raio, e cada talo do capim humano rebrotar com a chuva ou se estorricar com a seca.

Bem, resumindo: ficou resolvido que o livro se passaria no interior de Minas Gerais. E compor-se-ia de 12 novelas. Aqui, caro Condé, findava a fase de premeditação. Restava agir.

Então, passei horas de dias, fechado no quarto, cantando cantigas sertanejas, dialogando com vaqueiros de velha lembrança, “revendo” paisagens da minha terra, e aboiando para um gado imenso. Quando a máquina esteve pronta, parti. Lembro-me de que foi num domingo, de manhã.

O livro foi escrito — quase todo na cama, a lápis, em cadernos de 100 folhas — em sete meses; sete meses de exaltação, de deslumbramento.

(Depois, repousou durante sete anos; e, em 1945, foi “retrabalhado”, em cinco meses, cinco meses de reflexão e de lucidez).

Lá por novembro, contratei com uma datilógrafa a passagem a limpo. E, a 31 de dezembro de 1937, entreguei o original, às 5 e meia da tarde, na Livraria José Olympio. O título escolhido era “Sezão”; mas, para melhor resguardar o anonimato, pespeguei no cartapácio, à última hora, este rótulo simples: “Contos” (título provisório, a ser substituído) por Viator. Porque eu ia ter de começar longas viagens, logo após.

Como já disse, as histórias eram doze:

I) — O burrinho pedrês — Peça não profana, mas sugerida por um acontecimento real, passado em minha terra, há muitos anos: o afogamento de um grupo de vaqueiros, num córrego cheio.

II) — A volta do marido pródigo — A menos “pensada” das novelas do Sagarana, a única que foi pensada velozmente, na ponta do lápis. Também, quase não foi manipulada, em 1945.

III) — Duelo — Aqui, tudo aconteceu ao contrário do que ficou dito para a anterior: a história foi meditada e “vivida”, durante um mês, para ser escrita em uma semana, aproximadamente. Contudo, também quase não sofreu retoques em 1945.

IV) — Sarapalha — Desta, da história desta história, pouco me lembro. No livro, será ela, talvez, a de que menos gosto.

V) — Questões de família — História fraca, sincera demais, meio autobiográfica, malrealizada. Foi expelida do livro e definitivamente destruída.

VI) — (Uma história de amor — Um belo tema, que não consegui desenvolver razoavelmente. Teve o mesmo destino da novela anterior).

VII) — Minha gente — Por causa de uma gripe, talvez, foi escrita molemente, com uma pachorra e um descansado de espírito, que o autor não poderia ter, ao escrever as demais.

VIII) — Conversa de bois — Aqui, houve fenômeno interessante, o único caso, neste livro, de mediunismo puro. Eu planejara escrever um conto de carro-de-bois com o carro, os bois, o guia e o carreiro. Penosamente, urdi o enredo, e, um sábado, fui dormir, contente, disposto a pôr em caderno, no domingo, a história (n. 1). Mas, no domingo caiu-me do ou no crânio, prontinha, espécie de Minerva, outra história (n. 2) — também com carro, bois, carreiro e guia — totalmente diferente da da véspera. Não hesitei: escrevi-a, logo, e me esqueci da outra, da anterior. Em 1945, sofreu grandes retoques, mas nada recebeu da versão pré-histórica, que fora definitivamente sacrificada.

IX) — Bicho mau — Deixou de figurar no Sagarana, porque não tem parentesco profundo com as nove histórias deste, com as quais se amadrinhara, apenas, por pertencer à mesma época e à mesma zona. Seu sentido é outro. Ficou guardada para outro livro de novelas, já concebido, e que, daqui a alguns anos, talvez seja escrito.

X) — Corpo fechado — Talvez seja a minha predileta. Manuel Fulô foi o personagem que mais conviveu “Humanamente” comigo, e cheguei a desconfiar de que ele pudesse ter uma qualquer espécie de existência. Assim, viveu ele para mim mais umas 3 ou 4 histórias, que não aproveitei no papel, porque não tinham valor de parábolas, não “transcendiam”.

XI) — São Marcos — Demorada para escrever, pois exigia grandes esforços de memória, para a reconstituição de paisagens já muito afundadas. Foi a peça mais trabalhada do livro.

XII) — A hora e vez de Augusto Matraga — História mais séria, de certo modo síntese e chave de todas as outras, não falarei sobre o seu conteúdo. Quanto à forma, representa para mim vitória íntima, pois, desde o começo do livro, o seu estilo era o que eu procurava descobrir.

Por ora, Condé, aqui está o que eu pude relembrar, acerca do Sagarana. Se você quiser, eu poderei contar, mais tarde —, num exemplar da 2ª edição — algumas passagens históricas, ocorridas entre o dia 31 de dezembro de 1937 e a data em que o livro foi entregue à Editora Universal. Serve?

Com o cordial abraço do
Guimarães Rosa

 Fonte: Portal Vermelho

COMENTÁRIOS

SITE
Nome

À Luz da Bíblia,1,A Voz do Leitor,5,AAMCGR,21,Academia Cordisburguense de Letras,13,Ação Entre Amigos,1,ACESA,1,Acidente,39,ACINCOR,1,ADNAC,4,Adriano Bossi,564,Aeroporto,3,Agricultura,16,AgroCordis,4,Agronegócio.,5,Agropecuária,8,Airsoft,1,América-MG,3,Amigos e Viola,2,Aniversário de Cordisburgo,17,Antonio Maria Clarete,18,Antônio Pereira de Souza,2,APAE,13,Aposentados,2,Araçaí,74,arma,16,Arquitetura,2,Artes,9,Artesãos,1,Assistência Social,20,Astronomia,3,Atlético-MG,2,Atletismo,3,Audiência Pública,2,Automobilismo,9,Aviação,2,Axé Cordis,1,Bagagem,3,Baldim,1,Banda Asus,3,Banda de Música Vitalina Corrêa,28,Barack Obama,1,Baralho,1,Barra das Canoas,2,Barra do Luiz Pereira,3,bebidas,1,Belo Horizonte,25,Bombeiros,11,Bonde dos Balas,3,Brasil,274,Brasília,3,Brasinha,23,Cachoeira da Prata,1,Caetanópolis,38,Calamidade Pública,1,Câmara Municipal,75,Caminhada Ecoliterária,3,Caminhos de Rosa,22,Caminhos do Sertão,10,Campanhas,2,Campeonato Regional de Futebol,3,Capim Branco,4,Capoeira,3,Carnacordis,17,carnaval,26,Carvalho de Almeida,1,Casa Elefante,2,CAT,1,catolico,8,Cavalgada,2,ceará,1,Celebrações,2,Chamada Pública,2,Chikungunya,1,Cia de Teatro Cafarnaum,1,Ciclismo,13,Cidade,22,Ciência,3,Circo,3,Circuito das Grutas,3,Circuito dos Cristais,6,Clara Nunes,1,Clube Vista Alegre,6,CODEMA,2,Coluna Anacrônicas,1,Coluna GaloCordis,1,Colunas,2,Comemorações,3,Comércio,10,Comitiva Arraial do Conto,1,Comunicação,2,Conceição do Mato Dentro,1,conclave,1,Concursos Públicos,8,Conselho Municipal de Turismo - COMTUR,1,Conselho Tutelar,13,Contagem,1,Copa do Mundo,6,Copa Eldorado,6,Copa Juventude Para Cristo,22,Copa Musirama,1,Copasa,3,Cordis FM,1,Cordis Folclore e Cultura,1,Cordis Notícias,14,Cordis Radical,4,Cordis Uphill,1,Cordisburgo,1615,Cordisburgo Literária,1,Cordisburgo Sport Clube,11,Cordisburguenses,80,Corinto,2,Correios,4,Corrida Educa Cordis,4,Corrupção,1,CRAS,4,Creche,1,Crianças,16,Culinária,9,Cultura,292,Curiosidades,40,Cursos,14,Curvelo,81,Democrata de Sete Lagoas,1,Dengue,3,Denúncias,2,Descubra Minas,2,Destaque,1209,Dilma,13,Drogas,36,ECO 135,2,Economia,10,Edilaine Souza,2,Editais,2,Editorial,3,Educação,169,Eleições,76,EMATER,14,EMBRAPA,1,Emprego,28,ENEM,12,Enquetes,2,Entrevistas,2,Éntrevistas,1,Enviadas,12,Equipe Alto Rendimento,1,ERV Cordisburgo,1,Escola Cláudio Pinheiro de Lima,17,Escola Estadual Mestre Candinho,17,Escola Estadual Professor Anísio Teixeira,3,Escola Maria de Souza,1,Escola Municipal Octacílio Negrão de Lima,14,Escolinha Educa Cordis,2,Especiais,1,Esporte,218,Estados Unidos,1,EUA,2,Exército,2,FAB,1,faculdade,2,Família,1,Fazendinhas Pai José,1,Febre Amarela,1,Feira Sertaneja,6,Ferrovia,14,Festas,119,Festival de Balé,1,Festival de Comida de Roça,2,Festival do Frango Caipira,11,Figuras de Cordis,4,Filmes,14,Fitness,1,Folia de Reis,8,Fortuna de Minas,2,Francielly Gaudêncio,1,Funilândia,5,Futebol,92,Futsal,37,Galeria de Fotos,5,GaloCordis,4,Governo,34,Grupo Estrelas do Sertão,16,Gruta,50,Gruta da Morena,2,Guarda Municipal,1,Guerra,1,Guimarães Rosa,67,Handebol,1,História,7,Histórias Cordisburguenses,5,Humor,1,IDEB,1,Idosos,2,IEF,5,Igreja,10,Impeachment,3,Imprensa,1,inaugurado,1,Incêndio,1,Indústria,2,Inhaúma,2,inteligência,1,Internet,7,Jequitibá,8,João Concliz,2,Jornal,2,Junho,1,Justiça,4,Juventude FC,1,Koban,2,Lagoa Bonita,72,Lagoa Santa,1,Lar dos Idosos,6,LBV,2,Leilão,1,Literatura,47,Loterias,1,Loucos por Memória,1,Lucas Gustavo,491,Manifestações,1,Manoel do Norte,2,Maquiné,6,Maquinézinho,1,Marco Antonio Pereira,9,Mascarenhas,1,Master 50 Cordisburgo,18,Masterchef,2,Mato Grosso do Sul,1,Matozinhos,3,MEC,1,Medalha Anísio Teixeira,2,Medalha Guimarães Rosa,4,Medalha Mestre Candinho,3,Medalha Sinhá Araújo,5,Medalha Vovô Felício,5,MEGA,1,Megaupload,1,Meio ambiente,46,memória,1,Mexa-Se,8,Miguilins,8,Minas Gerais,250,Mineirão,2,MNEPL,5,Moda,19,Montes Claros,3,Monumento Peter Lund,2,Morro da Garça,14,Moto Velocidade,1,Motociclismo,4,Mountain bike,16,Mugstones,3,Mulher e Trabalhador Destaque,3,Mulheres,6,Mundo,6,Museu,38,Música,39,nanotecnologia,1,Natal Fantástico,3,Natureza,3,Nota Oficial,6,Notícias,2437,Novembro Azul,2,OBMEP,2,Obras,42,Olimpíadas,6,Outubro Rosa,2,Paleontologia,3,Palmito,5,papa,1,Paraopeba,99,Patrimônio,2,Patrocinado,2,Pecuária,3,Pedro Leopoldo,8,Periquito,7,Permacultura,1,Pesca,1,Pesquisas,1,pessoal,1,Plano Diretor,3,Poesias,3,Polícia,448,Polícia Civil,110,Política,181,Pompéu,2,População,1185,Post Patrocinado,2,Praça de Esportes,1,Prefeitura Municipal,140,Presidente Juscelino,1,Processo Seletivo,7,professores,5,Programação,3,Projeto Árvore é Vida,3,Promoção,4,Prudente de Morais,5,Quintino Vargas,1,Rádio,5,Rainha do Café,1,Raul,3,Real Cordis,3,Reclamações,2,rede publica,1,Reflexões,1,Região,457,Regina Pereira,1,relaçoes,1,Religião,77,ressaca,1,Reunião Câmara Municipal,75,Riacho Comprido,1,Ribeirão das Neves,1,Rio 2016,2,Rio das Velhas,1,Rio de Janeiro,1,Roda de Violeiros,1,Rodeio,5,Rodovia,24,Salário,5,Santana de Pirapama,15,São José das Lages,1,São Paulo,4,São Tomé,1,Saúde,245,Sebastião Alvino Colomarte,3,Secretariado,1,Seleção Brasileira de Futebol,6,Semana Roseana,68,Semana Santa,2,Senado,1,Ser Arte,1,Serro,1,Sertão,7,Sete Lagoas,172,SISU,4,Solidariedade,25,STF,1,Teatro,21,Tecnologia,9,Telefonia,4,Timóteo,1,Torcida Organizada,1,Torneio de Tiro ao Alvo,2,Trabalho,9,Tragédia,13,Trail Cordis,1,Trail Run,1,Trânsito,4,Transporte,3,Trekking,1,Três Marias,4,Troféu Dedê,4,Turismo,39,TV,23,uaitec,1,União Futebol Clube,7,UNIFEMM,2,Utilidades,228,Vagas de Emprego,3,Vereadores,103,Vestibular,2,Veteranos,1,Vídeos,9,Você Sabia?,1,Vôlei,1,Zika,4,Zona Rural,27,Zoológico de Pedras,3,
ltr
item
Cordis Notícias: Carta de Guimarães Rosa conta os segredos de Sagarana
Carta de Guimarães Rosa conta os segredos de Sagarana
https://3.bp.blogspot.com/-bhipimQbJ2o/VrCsMVIVwRI/AAAAAAAAPE8/r6M740iLCuk/s640/sagarana%2Bcordis%2Bnoticias.jpg
https://3.bp.blogspot.com/-bhipimQbJ2o/VrCsMVIVwRI/AAAAAAAAPE8/r6M740iLCuk/s72-c/sagarana%2Bcordis%2Bnoticias.jpg
Cordis Notícias
https://www.cordisnoticias.com.br/2016/02/carta-de-guimaraes-rosa-conta-os.html
https://www.cordisnoticias.com.br/
https://www.cordisnoticias.com.br/
https://www.cordisnoticias.com.br/2016/02/carta-de-guimaraes-rosa-conta-os.html
true
352566166544178726
UTF-8
Todos os posts carregados Nenhum post encontrado VER TUDO Ler Tudo Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Tudo NOTÍCIAS RELACIONADAS CATEGORIA ARQUIVO BUSCAR TODOS OS POSTS Não foi encontrado nenhum post que corresponda ao seu pedido Voltar ao Início Domingo Segunda-feira Terrça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minute atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir THIS PREMIUM CONTENT IS LOCKED PASSO 1: Compartilhe em uma rede social PASSO 2: Clique no link em sua rede social Copiar Todo o Código Selecionar Todo o Código All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy Table of Content