O vídeo do Sindifisco de Minas destroça a propaganda enganosa. Mas só sai no You Tube
TERÇA-FEIRA, 15 DE ABRIL DE 2014, 17:09 HS
O apagão moral da CEMIG: propaganda mentirosa é fundo do poço para a estatal
Uma propaganda produzida pela Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG) causou indignação entre mineiros e mineiras esta semana ao veicular informações mentirosas para justificar mais um aumento na tarifa energética do estado. Na tentativa de se eximir da responsabilidade do aumento e ao mesmo tempo desmoralizar o Governo Federal, a companhia elétrica atribuiu à Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) a alta de 14% na conta de energia. Uma mentira que coloca mais uma mancha na história da empresa estatal e reafirma a ligação escusa entre a CEMIG e o PSDB mineiro.
Na peça publicitária, veiculada na TV aberta durante o último final de semana, o ator Jonas Bloch, prestando um papel irresponsável, afirma que “A tarifa da CEMIG não é decidida pela CEMIG. Quem define é um órgão do governo federal, a ANEEL [Agência Nacional de Energia Elétrica], que fica lá em Brasília. E o governo federal, por meio da ANEEL, acaba de determinar um reajuste da nossa conta de energia elétrica da ordem de 14%”.
A campanha publicitária da estatal presta um grande desserviço ao enganar o povo mineiro quanto à responsabilidade sobre os aumentos intermináveis da conta de luz. A verdade é que a ANEEL é responsável apenas por analisar e julgar a procedência dos pedidos de reajustes realizados pelas companhias elétricas, como explica Romeu Rufino, diretor geral da ANEEL: “O processo se dá por um pedido da concessionária, no caso da Cemig, algo em torno de 29,7%. A ANEEL entendeu que esse reajuste seria da ordem de 14%. Essa é a realidade dos fatos” . Rufino ainda explicou que a empresa — no caso a CEMIG — tem total liberdade para reajustar o valor com um aumento menor do que o autorizado.
Mesmo com a barração do aumento de 29% pela ANEEL, é importante ressaltar que atualmente, o Estado de Minas Gerais já possui a tarifa elétrica mais cara do Brasil e o reajuste de 14% autorizado pela ANEEL não é compulsório. Ou seja, se a CEMIG anda mesmo tão preocupada com o bolso do mineiro quanto tenta transparecer em sua propaganda falaciosa, que não aplique reajuste nenhum! Minas Gerais agradece!
PT pede a suspensão da campanha publicitária e TRE nega
O Partido dos Trabalhadores de Minas Gerais protocolou no Tribunal Regional Eleitoral um pedido de suspensão da propaganda da CEMIG. A justificativa seria o caráter mentiroso e eleitoreiro da peça publicitária, vinda de uma estatal claramente associada ao reduto tucano em Minas Gerais.
O diretório estadual do PT publicou uma nota em seu site oficial criticando a ação de marketing eleitoral da CEMIG e justificando a ação no TRE. “O PSDB mineiro parece não ter limites nas reiteradas tentativas de enganar a população com falsas propagandas. Como se não bastasse querer se apropriar dos programas federais implantados em Minas, agora os tucanos tentam transferir para o governo federal a culpa pelo aumento na conta de luz”, afirmou Odair Cunha, presidente do PT-MG.
Mesmo com bons argumentos e com a clara intenção do PSDB de enganar o povo mineiro, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) negou o pedido do PT.
Quando Jonas fala de aumento na TV, num dos anúncios da CEMIG, ao fundo aparece em cor destacada o endereço da Aneel 
*****
12/04/2014
NOTA OFICIAL DO PT-MG
O PSDB mineiro parece não ter limites nas reiteradas tentativas de enganar a população com falsas propagandas. Como se não bastasse querer se apropriar dos programas federais implantados em Minas, agora os tucanos tentam transferir para o governo federal a culpa pelo aumento na conta de luz.
Nos últimos dias, a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) patrocinou uma massiva campanha publicitária com o objetivo de se isentar do reajuste de 14,76% nas contas pagas pelos mineiros. A verdade, que novamente não está ao lado da propaganda tucana, é que a Cemig solicitou um aumento de quase 30% na conta de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), discordando dos argumentos apresentados pela estatal para reajustar as tarifas, concedeu um reajuste de 14,7%, metade do que solicitou a companhia. Vale ressaltar que a Aneel só autoriza aumentos nas tarifas após a solicitação das distribuidoras, no caso a Cemig.
O pedido de quase 30% de aumento na conta paga pelos mineiros foi feito na semana em que a companhia anunciou um lucro de R$ 3,1 bilhões, em 2013. Se fosse aceito pelo órgão regulador, sozinha, a correção na conta de luz poderia representar uma elevação de 0,8 ponto percentual na inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) na Grande BH.
O que surpreende, além da incompatibilidade entre o lucro de R$ 3,1 bilhões e os exorbitantes pedidos de aumentos nas tarifas, é um dos argumentos utilizados pela empresa para rever a definição da Base de Remuneração da Cemig Distribuição, com o conseqüente impacto no valor da conta de luz. Dizendo ter investido acima do previsto na implantação do programa Luz Para Todos, a Cemig vai, a partir de abril, repassar para os mineiros parte dos valores gastos neste importante programa social do governo federal.
A falta de planejamento, de sensibilidade social e de compromisso com o controle dos índices inflacionários revelam a distância existente entre a prática e a propaganda do governo de Minas. Enquanto o governo federal faz sacrifícios para resolver os problemas, inclusive na questão da energia, baixando tarifas e implantando projetos como o Luz Para Todos, o estado de Minas, através da Cemig, erra cálculos, não realiza um bom planejamento e transfere para a população o ônus pela má gestão do PSDB.
Odair Cunha
Presidente Estadual do PT-MG
Na propaganda mais recente, destaque para o verbo gigante associado ao governo federal
DECISÃO
Aneel rebate anúncio: “Cemig pode dar desconto”
Tribunal Regional Eleitoral nega liminar ao PT, que alegava propaganda eleitoral antecipada
Brasília. O diretor geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, convocou uma entrevista coletiva nesta terça para explicar como é feito o processo de reajuste das tarifas de energia elétrica.
A explicação detalhada ocorre imediatamente após a divulgação de um anúncio publicitário, por parte da Cemig – estatal de energia de Minas Gerais, governada desde 2003 por uma aliança comandada pelo PSDB – na qual aponta o governo federal como responsável pelo aumento da tarifa de luz local. O reajuste autorizado pela Aneel foi de 14%. Na propaganda, o ator Jonas Bloch diz: “A tarifa da Cemig não é decidida pela Cemig”. Quem define, afirma, “é um órgão do governo federal, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), que fica lá em Brasília”.
A distribuidora é responsável por encaminhar um pleito de aumento para a agência reguladora. No caso da empresa mineira, o pedido feito pela empresa era ainda maior do que o autorizado. “O processo se dá por um pedido da concessionária, no caso da Cemig, algo em torno de 29,7%. A Aneel entendeu que esse reajuste seria da ordem de 14%. Essa é a realidade dos fatos”, disse. Ainda segundo Rufino, a empresa tem liberdade para aplicar um aumento menor que o autorizado.
Em nota, a Cemig diz que em nenhum momento a campanha “afronta ou desrespeita o governo federal” e nega qualquer motivação política ou eleitoral.
Propaganda. O Tribunal Regional Eleitoral Paulo Cezar Dias negou, nesta terça, o pedido de liminar feito pelo PT por suposta propaganda eleitoral antecipada negativa em relação ao governo federal, veiculada na publicidade da Cemig.
Segundo o desembargador Paulo Cezar Dias, “os fatos, da forma como foram expostos, não permitem sequer em tese, concluir pela ocorrência da citada irregularidade”.
Vídeo montado por El Cid compara o que diz a Cemig  com a verdade factual 

FONTE: VIOMUNDO

Postar um comentário

Regras de comentário:

PROIBIDO
Comentários ofensivos.
Xingamentos.
Palavrões.
Spam.
Comentários sem relação alguma com o conteúdo.
Injúrias.

Tecnologia do Blogger.