João Guimarães Rosa completaria nesta segunda-feira, 108 anos.  Contista, novelista, romancista e diplomata, nasceu em Cordisburgo no dia 27 de junho de 1908, e faleceu no Rio de Janeiro em 19 de novembro de 1967.

Um dos maiores escritores de todos os tempos, produtor de uma obra de alcance universal, teve uma infância privilegiada. Ele conviveu desde cedo com personagens encantados criados pela mente paterna e com outra herança fundamental, a familiaridade com a linguagem, tanto a de sua terra natal, quanto a de países do mundo todo.

Desvelar os códigos rosianos presentes em sua obra exige uma atenção especial à linguagem, ao tecer da narrativa. Afinal, ela tem o poder sagrado de ordenar o caos, de dar forma ao informe, de gerar vida, plena de significados, e é potencialmente capaz de extrair elementos do cotidiano e impregná-los de poesia, devolvendo-lhes a analogia paradisíaca entre os nomes e as coisas, magia de que só os poetas, os loucos e as crianças são capazes.

A harmonização entre passado, presente e futuro, entre tradição e modernidade, é uma das principais metas que conduzem ao mergulho do narrador no labirinto de suas lembranças na obra de Rosa.

Como homenagem, ficamos com o Poema em homenagem a João Guimarães Rosa, escrito por Carlos Drummond de Andrade.

Um Chamado João
de Carlos Drummond de Andrade

João era fabulista
fabuloso
fábula?
Sertão místico disparando
no exílio da linguagem comum?


“Projetava na gravatinha
a quinta face das coisas
inenarrável narrada?
Um estranho chamado João
para disfarçar, para farçar
o que não ousamos compreender?”


Tinha pastos, buritis plantados
no apartamento?
no peito?
Vegetal ele era ou passarinho
sob a robusta ossatura com pinta
de boi risonho?


Era um teatro
e todos os artistas
no mesmo papel,
ciranda multívoca?


João era tudo?
tudo escondido, florindo
como flor é flor, mesmo não semeada?
Mapa com acidentes
deslizando para fora, falando?
Guardava rios no bolso
cada qual em sua cor de água
sem misturar, sem conflitar?


E de cada gota redigia
nome, curva, fim,
e no destinado geral
seu fado era saber
para contar sem desnudar
o que não deve ser desnudado
e por isso se veste de véus novos?


Mágico sem apetrechos,
civilmente mágico, apelador
de precípites prodígios acudindo
a chamado geral?
Embaixador do reino
que há por trás dos reinos,
dos poderes, das
supostas fórmulas
de abracadabra, sésamo?
Reino cercado
não de muros, chaves, códigos,
mas o reino-reino?


Por que João sorria
se lhe perguntavam
que mistério é esse?
E propondo desenhos figurava
menos a resposta que
outra questão ao perguntante?


Tinha parte com… (sei lá
o nome) ou ele mesmo era
a parte de gente
servindo de ponte
entre o sub e o sobre
que se arcabuzeiam
de antes do princípio,
que se entrelaçam
para melhor guerra,
para maior festa?
Ficamos sem saber o que era João
e se João existiu
de se pegar.



Fonte: Wikipédia, Academia Brasileira de Letras, Info Escola e Blog dos Poetas

Postar um comentário

Regras de comentário:

PROIBIDO
Comentários ofensivos.
Xingamentos.
Palavrões.
Spam.
Comentários sem relação alguma com o conteúdo.
Injúrias.

Tecnologia do Blogger.