Imagem: Lucas Gustavo 
No Domingo (15/11) aconteceu no Campo do Paraíso em Araçaí, o jogo entre os funcionários públicos de Cordisburgo e Araçaí.

A confraternização aproximou os funcionários de ambas as cidades, que confraternizaram ao fim de jogo, contando com a presença dos prefeitos de ambas as cidades: Alessandro Guimarães Sampaio e Joaquim Ildeu Santana.

A equipe araçaiense possuía em seu elenco: Warley, Gil, Fábio, Gabriel, Edmar, Fábio II, Henrique, Juninho, Iander, Tuquinho, Patrick, Paulinho, Marcony, Fernando e João Victor.

Já a equipe cordisburguense era formada por: Lú, Marinho Cotó, Paulinho PM, Beto Curvelano, Saulinho, Pêri, Jucão, Ronildo, Reca, Renato, Pretinho, Zé Coqueiro, Laci, Zezinho Coelho, Ladinho, Zé Geraldo e Fernando.

O jogo terminou com o placar de 6 a 3 favorável ao time de Araçaí. Uma nova partida será realizada na cidade de Cordisburgo em data a ser marcada.


GALERIA DE FOTOS
Imagens: Lucas Gustavo 






















Reportagem: Lucas Gustavo
Com Marcony Figueiredo

Imagem: UFES 
Por falta de recursos, as eleições municipais de 2016 serão manuais e não com voto eletrônico. A informação de que o contingenciamento de gastos impedirá a realização das eleições por meio eletrônico foi publicada hoje (30) no Diário Oficial da União. Desde 2000, todos os brasileiros votam em urnas eletrônicas.

“O contingenciamento imposto à Justiça Eleitoral inviabilizará as eleições de 2016 por meio eletrônico”, diz o texto da Portaria Conjunta número 3, assinada pelos presidentes do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandosvki; do Tribunal Superior Eleitoral, Dias Toffoli; do Tribunal Superior do Trabalho, Antonio José de Barros Levenhagen; do Superior Tribunal Militar, William de Oliveira Barros; do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, Getúlio de Moraes Olveira; e pela presidenta em exercício do Superior Tribunal de Justiça, Laurita Vaz.

De acordo com a portaria, os órgãos do Poder Judiciário da União sofreram contingenciamento de R$ 1,74 bilhão. 

O TSE, responsável pela organização das eleições no país, vai se manifestar, por meio de nota, ainda hoje.

Fonte: Agência Brasil - Luana Lourenço

Imagem: Página Brazil 
Os estudantes mineiros mostraram mais uma vez que são bons de conta. Pela nona vez consecutiva Minas Gerais é o estado brasileiro com o maior número de medalhas na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep). Foram 151 medalhas de ouro, 417 de prata e 1.042 de bronze. Ao todo, o estado conquistou 1.610 medalhas. Os estudantes ainda conquistaram 10.171 menções honrosas. O resultado foi divulgado nesta sexta-feira (27/11), no site da competição.
O segundo lugar, em número total de medalhas, ficou com estado de São Paulo. Foram ao todo 1.287 medalhas. Em todo o país, foram premiados 48.784 estudantes, sendo 500 medalhas de ouro, 1.500 medalhas de prata e 4.501 medalhas de bronze, além de 42.283 menções honrosas.
Na edição deste ano da competição, o estudante do 7º ano do ensino fundamental da Escola Estadual Senador Bueno de Paiva, no município de Cachoeira de Minas, João Vítor Vieira de Castro, conquistou sua primeira medalha de ouro e o segundo lugar no nível I da Obmep .
“Ano passado fiz a prova e ganhei menção honrosa. Esse ano, estudei mais e fiquei muito feliz com a medalha de ouro. É uma emoção muito grande”, conta o estudante”. “ Muita gente fez a prova e eu conquistar medalha de ouro em segundo lugar em todo o país é muito importante”. O nível I é dedicado aos alunos do 6º e 7º ano do ensino fundamental.
Já no nível II, dedicado aos alunos do 8º e 9º lugar, o estudante da Escola Estadual Nossa Senhora de Guadalupe, no município de Lagoa da Prata, Bernardo Teixeira de Amorim Neto, conquistou o primeiro lugar. Veterano na competição, este ano o aluno do 9º ano do ensino fundamental conquistou sua quarta medalha de ouro na competição.
“É muito bacana. Esse primeiro lugar é o resultado de anos de preparação”, pontua. Em todas as edições que participou o estudante faturou medalha de ouro.
Os 6.501 medalhistas da Obmep 2015 serão convidados a participar do Programa de Iniciação Científica (PIC Jr.) que será realizado ao longo de 2016. Os prêmios serão entregues em 2016, em datas que serão divulgadas pelo Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA).
Obmep 2015
A Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) atingiu, em 2015, um novo recorde do número de escolas e municípios participantes. Foram inscritos na 11ª edição da Olimpíada 47.582 escolas de 5.538 cidades (o que corresponde a 99.48% dos municípios de todo o país).
Já o número de estudantes inscritos totalizou 17.970,745, sendo os estados com o maior número de participantes São Paulo (com 3.373,019 alunos e 5.847 escolas de 645 municípios) e Minas Gerais (com 1.889,666 alunos e 4.569 escolas de 850 municípios).
A competição
A Olimpíada é dividida em três níveis. O primeiro é composto por estudantes do 6º e 7º anos do ensino fundamental. No segundo, fazem as avaliações alunos do 8º e 9º anos do ensino fundamental. Já o 3º nível é composto por estudantes do ensino médio.
Criada em 2005, a Obmep busca estimular e promover o estudo da Matemática entre os alunos das escolas públicas, além de contribuir para a melhoria da qualidade da educação básica. A primeira edição da Olimpíada envolveu 10,5 milhões de alunos de 31 mil escolas (localizadas em 93,5% dos municípios brasileiros).
A competição é promovida pelos ministérios da Educação e da Ciência e Tecnologia e é realizada pelo Instituto Nacional de Matemática Aplicada (Impa) e pela Sociedade Brasileira de Matemática (SBM).

Fonte: Agência Minas

Imagem: Agência Minas 
"10 Minutos Contra a Dengue" é a nova campanha do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), para mobilizar a população no enfrentamento à doença. A estratégia, lançada oficialmente nesta sexta-feira (27/11), na Escola de Saúde Pública de Minas Gerais (ESP-MG), tem por finalidade a mobilização contra a dengue, chikungunya e Zica vírus. A campanha será trabalhada neste ano e no próximo, com o propósito de fazer com que as pessoas separem apenas 10 minutos de sua semana para limpar os locais em suas casas onde o mosquito Aedes aegypti se reproduz.

“O controle do vetor é uma tarefa que ultrapassa o âmbito da saúde e exige ações de todos os serviços públicos e também da população. Por isso, a sensibilização para a campanha é essencial no enfrentamento à doença. O foco continua sendo a mobilização da sociedade, da limpeza urbana e de todos os demais agentes que possam contribuir para o controle do vetor”, reforçou o secretário de Estado de Saúde, Fausto Pereira dos Santos. Segundo ele, é de fundamental importância a participação da população no controle da dengue. “As pesquisas mais recentes apontam que mais de 80% dos focos de Aedes aegypti encontram-se dentro dos domicílios”, completa.

O conceito da campanha foi desenvolvido pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e se baseia no ciclo de vida do Aedes aegypti, do ovo ao mosquito adulto, que leva de 7 a 10 dias. Agindo uma vez por semana na limpeza de criadouros, a população interfere no desenvolvimento do vetor, impedindo que ovos, larvas e pupas do mosquito cheguem à fase adulta, e, assim, consegue frear a transmissão da doença. O projeto é inspirado em uma estratégia de controle do vetor adotada em Cingapura, que foi capaz de interromper o pico de epidemia no país com ações semanais da população dentro de suas residências, de apenas 10 minutos, para limpeza dos principais criadouros do mosquito.

Para o superintendente de Vigilância Epidemiológica, Ambiental e Saúde do Trabalhador da SES-MG, Rodrigo Said, provocar a atitude de mudança nas pessoas para que elas sejam os principais agentes de combate à dengue é um dos objetivos da campanha. “Pretendemos mobilizar a sociedade em geral com informações diretas e acessíveis, para que todos tenham em mente a importância de interromper o ciclo do mosquito logo em seu início de reprodução”, afirma.

A forma de combater a dengue, mesmo já conhecida pela população, será alertada durante a campanha: eliminar qualquer foco de água parada no qual o mosquito possa se reproduzir. A recomendação é para que as pessoas mantenham suas casas e locais de trabalho sempre limpos e longe de qualquer possibilidade de acúmulo de água. ​Haverá, ainda, distribuição de um check list para mobilização e entrega pelos agentes de controle de endemias. A população será orientada a fixar o check list em um local visível de sua residência para que ela possa checar se as ações para evitar a proliferação do mosquito estão sendo adotadas ao longo das semanas.

Além da campanha, a SES-MG está investindo R$ 36,6 milhões em ações de vigilância e controle de endemias transmitidas por vetores. O recurso será dividido para todos os 853 municípios mineiros. Para facilitar o acesso a todas as informações sobre a campanha e o controle da dengue, chikungunya e Zica vírus no Estado, foi criado o site www.saude.mg.gov.br/dengue.


Monitoramento

Outra ação, neste momento, é o fortalecimento dos 28 Comitês Regionais de Monitoramento, que irão avaliar a situação epidemiológica dos municípios e dar o apoio técnico necessário. A SES-MG entende que os municípios precisam ser reforçados para combater o mosquito transmissor. Para tanto, foram feitas oficinas regionais com representantes de todos os 853 municípios para revisão das diretrizes do programa estadual e atualização dos planos de contingência dos municípios.

A atualização do plano de contingência estadual, especificamente, abrange níveis de resposta conforme plano do Ministério da Saúde, acompanhamento dos diagramas de controle de todos os municípios do estado, com avaliação da situação epidemiológica, planilha de monitoramento dos casos notificados por município nas quatro últimas semanas e apoio para a implantação das Unidades de Hidratação nos municípios e realização dos hemogramas.


Dengue no Estado

Em 2015, até o momento, foram confirmados 143.890 casos de dengue em Minas Gerais e outros 35.340 foram considerados suspeitos. Já o número de mortes confirmadas no estado soma 67. “Neste ano, percebemos um aumento no número de reservatórios de água de chuva decorrente da escassez hídrica que possivelmente interfere nessa transmissão”, afirma a coordenadora do Programa Estadual de Controle Permanente da Dengue, Geane Andrade.


Novo Boletim Epidemiológico

Semanalmente, sempre às segundas-feiras, a SES-MG vai divulgar na página www.saude.mg.gov.br/dengue a análise dos casos. Para haver um alinhamento à contagem de casos do Ministério da Saúde, a secretaria agora adota a nomenclatura “casos prováveis”, que é a soma dos casos suspeitos com os confirmados no Estado.


Zika Vírus e microcefalia

As doenças dengue, chikungunya e Zika vírus são transmitidas pelo mesmo mosquito, o Aedes aegypti. Portanto, o enfrentamento ao mosquito é a forma de evitar as três doenças. Para o monitoramento da entrada do Zika vírus em Minas Gerais e, em decorrência dos casos de microcefalia ocorridos nos estados do Nordeste, a SES-MG está cumprindo os protocolos do Ministério da Saúde e reativando a vigilância sentinela, que são equipes das unidades de saúde tecnicamente treinadas para identificar os sintomas agora ligados ao Zika vírus e encaminhar para a análise. Embora não tenha registro de circulação do vírus no estado, as unidades estão distribuídas estrategicamente nos municípios de Uberaba, Belo Horizonte, Montes Claros, Teófilo Otoni, Juiz de Fora e Pouso Alegre.

O Ministério da Saúde tornou compulsória a notificação de casos da microcefalia em todo território nacional, incluindo Minas Gerais. O protocolo para identificação de bebês com o problema deverá ser usado em todo o país. As instruções preveem os critérios para detecção da microcefalia em recém-nascidos, definem o fluxo de atendimento, diagnóstico, vigilância e acompanhamento de bebês com a anomalia.


Mobilização Social: o cidadão participativo

Em Minas Gerais, a Saúde Pública tem como um de seus principais objetivos arregimentar a participação civil na execução dos programas de prevenção e promoção da saúde por intermédio da Mobilização Social em Saúde – um instrumento de sensibilização das autoridades públicas, dirigentes e demais membros de instituições não governamentais e comunidades para agirem como corresponsáveis pela saúde pública.

Na SES-MG, a Assessoria de Comunicação Social criou, em 2004, o Núcleo de Mobilização Social. Em 2007, foi criada a Rede de Mobilização Social devido à necessidade de ampliar a abrangência do processo de participação popular a todo o Estado. A Rede é composta por 28 Núcleos Regionais e com o desafio de serem estabelecidos 853 Núcleos Municipais de Mobilização Social, que atualmente conta com 622.

Fonte: Agência Minas

Imagem: Agêcia Brasil 
A última da semana é apenas, mais um episódio da tragédia brasileira e o nosso Portal, achou por bem, reproduzir a noticia do Jornalista Rogério Jordão, que tem o seu blog de noticias no Yahoo Brasil e escreve em vários jornais.
Eis, a manchete e o que nos fala, com grande propriedade Rogério Jordão:
"Delcidio deveria pedir para sair"

O caso do senador Delcídio do Amaral (PT), preso pela PF nesta semana, é daqueles capazes de mudar o jogo da política no longo prazo. Primeiro senador preso no exercício do mandato. Prisão mantida pelo Senado com votação aberta (se fosse secreta, certamente o resultado seria outro; sinal dos tempos). Líder do governo no Senado, sua prisão é um precedente para o próprio Congresso: os hábitos precisam mudar. Ao mesmo tempo, é um senador “querido” por seus pares. Como ler a tempestade? 
Tudo é grave no caso Delcídio, a começar pelo fato de um senador se reunir com o advogado e o filho de uma pessoa presa e já condenada pela Justiça (em primeira instância) por crimes contra o patrimônio público, no caso, Nestor Cerveró, em vias de negociar uma delação premiada. Só isto já seria inconveniente, para usarmos um termo britânico. Mas quem ouve ou lê a conversa na íntegra – uma hora e meia de gravação – se depara com um senador sugerindo rota de fuga para um condenado, o tipo de avião a ser utilizado, lendo em voz alta o rascunho de uma delação que seria um documento secreto (vazado por quem?), e tudo o mais. É muita coisa errada junta para um homem público.
 A gravação-bomba é o tipo de acontecimento que deveria levar um político eleito a anunciar imediatamente sua retirada da vida pública. Delcídio deveria fazer isto. Mas é improvável que o faça. Manter-se na política é também assegurar meios para defender-se. Faz parte do jogo. Ainda que o custo (abissal) disso seja o comprometimento da própria política como instituição fundamental para o bem-estar de um país e sua população. AQUI O Brasil vai colocando à prova os políticos que têm. Não só Delcídio, mas todos. O terremoto está longe de terminar. As ruínas podem ser nosso futuro imediato. E por que não? 
Reportagem: Adriano Bossi
Com Yahoo Notícias

Imagem: Lucas Gustavo 
Após uma semana de preparativos, estreia logo mais, à partir das 19:00 horas, o tão aguardado parque de diversões que movimentará a nossa cidade.

O Bad Boy, uma empresa de diversões e entretenimento, tem sua origem em Curvelo e de lá chegou, para uma temporada de muitas atrações para a garotada e igualmente para os adultos.

São muitos brinquedos à disposição dos interessados por um divertimento sadio e de muitas emoções.

Tromba-tromba, Barca gigante, Quadriciclos, Mini carrossel, Minhoquinha, Dragãozinho, Patinho, Pula-pula, Tobogã, Roleta, Tiro ao alvo e ainda a Barraca de Drinks.

Realmente, muitos atrativos oferecidos pelo Parque de Diversões Bad Boy e, segundo o gerente do empreendimento - Sr Davi, a temporada em Cordisburgo, deverá ser de aproximadamente 3 semanas ou mais.

Quanto custará para se divertir - o Passaporte tem o valor de R$ 10,00, dando direito a utilização de 3 (três) brinquedos a escolher, ou seja, um preço bem atraente.

A promoção - o Portal Cordis Noticias e o Bad Boy, se uniram e assim, estamos oferecendo aos nossos internautas, 5 (cinco) passaportes para uma diversão no parque. A promoção está disponível em nossa página no Facebook.

Vamos divertir, vamos alegrar e vamos passear no parque, o parque já chegou!

Parque de Diversões Bad Boy, instalado na Rua São José, no centro de Cordisburgo.

Reportagem Adriano Bossi











Imagem: Reprodução 
Cordisburgo é uma cidade com fortes vínculos ligados ao meio artístico. Por aqui, florescem a cada dia, pessoas com dons preciosos em diferentes seguimentos da arte.
A escultura, a música, o teatro, a literatura e a arte de se criar peças com pedaços de metais reciclados, também ocorre por estas bandas de cá, do nosso sertão.
Cada artista com a sua criação, não importando qual é o seu dom, às vezes no anonimato, mas com enorme potencial e precisando somente, ser descoberto, "achado" e reconhecido pelo povo.
E um artista bastante tímido, mas bastante competente também, vive em nossa cidade produzindo peças com recortes de chapa de metal reciclado.
Estamos falando do jovem - Deivid Henrique Vieira da Costa, o Deivid, 24 anos, cordisburguense. Teve contato e recebeu os primeiros ensinamentos há 8 anos, na cidade de Curvelo, quando por 8 meses, frequentou a escola da Cooperativa Dedo de Gente, que acolhe e ministra todos os tipos de educação artistica, aos jovens matriculados e pré-selecionados à algum tipo de arte.
Trabalhos em madeira, ferro, barro, cartonagem, pintura e doceria - dessa gama enorme de opções, cada aluno escolhe qual direção a seguir.



E o nosso artista - Deivid, escolheu a arte de corte e chapeamento de folhas de metal, para criar e produzir as suas obras. Alguns trabalhos sairam daqui de Cordisburgo, para outras cidades, adquiridas que foram, por apreciadores da boa arte em ferro-metal.
Em Belo Horizonte, no CAP - Centro de Arte Popular da Cemig, que fica localizado no Corredor Cultural da Praça da Liberdade, 3 peças (em tamanho natural) - touro, égua e potro, estão expostas em destaque na entrada do prédio, há mais de 1 ano - obras de propriedade de Antonio Carlos Figueiredo.

Aqui em Cordisburgo, 2 peças - mula e personagem, se encontram em exposição há alguns meses, nos jardins do Museu Casa de Guimarães Rosa - peças de Antonio Carlos Figueiredo.


No Museu da Gruta de Maquiné, um busto em chapa de metal, retratando Peter Lund, se encontra igualmente, para apreciação dos visitantes.

Na Loja do Brasinha, algumas peças do Deivid, se encontram expostas e na cidade de Gouveia, proxima a Diamantina, um enorme dragão, um S.Jorge e um cavalo, estão em exibição em um sítio da zona rural.

O artista Deivid Henrique, tem o seu ateliê "Ser Arte", na Rua Sinval Odorico de Paula, 147, centro da cidade.
Assim, constatamos novamente, que a nossa cidade, tida como literária, cultural e turística, pode também, ser classificada como cidade artística, face ao grande numero de pessoas produzindo obras de arte, nesta cidade do nosso coração.
Reportagem Adriano Bossi








Imagem: Reprodução 
No momento em que a saúde em nossa cidade desperta tanto interesse, face às dificuldades enfrentadas; achamos oportuno, transcrever tópicos da coluna de Fátima de Oliveira - Médica, publicada na página 18 do Caderno O.PINIÃO - do Jornal O Tempo, de Belo Horizonte, do dia 24 de Novembro. 

O conteúdo do texto, muito abrangente e preciso nos levou a esta decisão de compartilhar a coluna aos nossos leitores.

Eis o conteúdo da coluna da Drª. Fátima Oliveira:


Ocorrerá em Brasília, de 1º a 4 de dezembro próximo, a 15ª Conferência Nacional de Saúde, sob o tema “Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas”, que tem como eixo o “direito do povo brasileiro”; “contará com 4.322 participantes, sendo 3.248 delegadas(os), 976 convidadas(os) e 98 por credenciamento livre”.  
Usarei os dois eventos para algumas especulações sobre as conferências de saúde e a validade hoje em dia das “marchas políticas” como instrumentos de reivindicação e pressão, que farei em outro artigo; mas adianto que a grande vitória da marcha não foi ela em si, mas as mobilizações que a prepararam, deixando um saldo organizativo expressivo em cada lugar onde foi sonhada.  
Tenho pensado sobre a efetividade política do controle social exercido pelos conselhos e pelas conferências de saúde, além do dever de resistência que a conjuntura impõe às delegações na 15ª Conferência Nacional de Saúde, diante dos ataques que o SUS vem sofrendo cotidianamente.  
O Brasil conta com 26 Estados e o Distrito Federal, cada um com conselho de saúde, e possui 5.570 municípios, que, teoricamente, são obrigados por lei a ter um Conselho Municipal de Saúde – dá para imaginar a quantidade de pessoas fazendo controle social na saúde? Tivéssemos um controle social como deveria, o SUS teria avançado muito mais! 
“O Conselho de Saúde é um órgão colegiado de caráter permanente e deliberativo (com poder de decisão), com representantes de toda a sociedade e de composição paritária (parágrafo 2º, da Lei 8.142/1990)”. É nele que se dá a participação popular na fiscalização e na condução das políticas de saúde, garantidas a partir da Lei 8.142, de 28.12.1990, que instituiu os conselhos e as conferências de saúde como instâncias de controle social do SUS em âmbitos federal, estadual e municipal”. 
“Composição paritária significa que o número de representantes do segmento usuário é igual à soma dos demais representantes dos outros segmentos: profissionais e trabalhadores de saúde; e gestores e prestadores de serviços de saúde, o que garante o efetivo controle social sobre a execução da política e dos planos de saúde”. Isto é, 50% representam usuários; 25%, os profissionais e os trabalhadores de saúde; e os outros 25%, gestores e prestadores de serviços”. 
Em “O conferencismo sequestra a democracia e insulta a inteligência”, registrei o meu desânimo: “Longe de mim ser contra espaços de discussões e proposições para garantir direitos! Que fique explícito: não sou contra conferências, mas contra o uso do formato conferência para ‘conferencismos’ que “não nos tiram do amassar ‘ad aeternum’ o mesmo barro”, pois são eventos que ‘não decidem nada e não mandam nada! Só listam recomendações a que, via de regra, nenhuma autoridade dá a menor pelota – e os conselhos das áreas também ‘não apitam nada’. Desconheço exceções nas três esferas de governo. Talvez existam, mas desconheço” (O TEMPO, 18.10.2011). 
Para que conselhos, conselheiros e conferências de saúde cumpram o papel para o qual foram criados, ainda temos um longo caminho a percorrer e um inimigo a derrotar: a “prefeiturização” da maioria esmagadora dos conselhos municipais de saúde.


Reportagem Adriano Bossi
Com Jornal O Tempo

Imagem: Divulgação 
A Polícia Civil incinerou na tarde desta segunda-feira, 23/11, drogas apreendidas durante ações policiais das Polícias Civil e Militar em Araçaí, Caetanópolis, Cordisburgo e Paraopeba. 

A incineração de drogas apreendidas é um procedimento previsto pela Lei n.º 11.343, de 23 de agosto de 2006, sendo realizada pela Polícia Civil, com autorização da Justiça, e obedece a uma série de procedimentos. Entre eles está a realização de perícia técnica por Perito Criminal da Polícia Civil, antes da incineração, com o objetivo de garantir que o forno a ser utilizado tem a capacidade de incinerar complemente as drogas que nele serão depositadas. A ação da Polícia Civil foi autorizada pelo Juiz da Comarca de Paraopeba e ocorreu em um dos fornos da empresa Tear Têxtil, no qual a temperatura passa dos 500 ºC. 

A incineração dos entorpecentes, como maconha, cocaína e crack, entre outras substâncias ilícitas, contou com a participação de policiais civis das Delegacias de Polícia Civil de Caetanópolis, Cordisburgo e Paraopeba, da Seção Técnica Regional de Criminalística de Sete Lagoas, além de servidores da Coordenadoria Municipal de Vigilância Sanitária de Paraopeba.

Assessoria de Comunicação - Polícia Civil






Tecnologia do Blogger.