Na noite do último sábado, o estudante Wellington Rocha Vieira, de 21 anos, se despediu da mãe quando ela viajou para a casa de parentes. Ele decidiu ficar em Sete Lagoas para ir ao casamento de um amigo. Já à noite, quando se preparava para sair, passou mal. “Ele desmaiou no passeio, antes de subir na moto. Minha filha, que estava em casa, estranhou não ter ouvido o barulho do motor e foi até o portão. Foi então que ela encontrou o irmão caído no passeio, do outro lado da rua”, relata dona Jovelina Rocha, mãe de Wellington.

O noivo da irmã foi quem colocou o jovem no carro e o levou para a UPA. De lá, ele foi transferido para o HNSG, na madrugada de domingo para segunda. Naquele momento, apesar de ter esperanças, dona Jovelina já sentia que o filho não voltaria mais. “Eu já estava há alguns dias com aquele sentimento de que alguma coisa ruim ia acontecer, mas nunca imaginei que fosse com ele”, relembra. A confirmação da morte encefálica, decorrente de uma hemorragia cerebral, só veio na última terça-feira (28). E foi neste momento que a família precisou tomar uma decisão sobre a doação dos órgãos do filho.

Jovelina conta que Wellington sempre foi um filho muito bom. “Ele era alegre, daqueles que contagiava a casa inteira. Era estudioso e queria abrir seu próprio negócio. Estava sempre sorrindo e gostava de fazer o bem. Os amigos da Faculdade estão desolados”. O estudante era um doador frequente de sangue e já havia deixado claro para a família que, se algo acontecesse, ele gostaria de doar seus órgãos. “A gente conversava muito sobre isso. Ele me convenceu de que a vida pode continuar mesmo depois que alguém morre. Hoje eu tenho uma dor profunda por ter perdido meu filho, mas sei que é o que ele gostaria que a gente fizesse e que também, com a doação, a gente vai evitar que outras mães passem pelo mesmo sofrimento que eu estou passando, de perder meu filho”, explicou.

Depois de realizados os exames de praxe, a equipe do MG Transplantes chegou ao HNSG para a retirada de rins, fígado, coração e córneas. Ao todo, dezenove profissionais estavam envolvidos na coleta. Nove cirurgiões trabalharam ao lado do anestesista Dr. Leonardo Matos, do HNSG, das enfermeiras da Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT) Adriane Pontelo, Bruna Lanza e Monique Campolina, as enfermeiras do bloco cirúrgico Polianna Lucena e Poliana Ribeiro, das auxiliares de enfermagem Solange Marques e Vânia dos Santos e de outras duas profissionais de enfermagem do MG Transplantes.

Coração, rins, córneas e fígado foram levados, pela equipe do MG Transplantes, para o Hospital das Clínicas em Belo Horizonte. Para dona Jovelina, doação é a certeza de que, de alguma forma, seu filho ainda continuará vivo. “Em algum lugar, o coração dele continua batendo. Ele ficaria feliz em saber que está ajudando outras pessoas a terem uma vida melhor”, disse.

Para a CIHDOTT, esse foi um belo exemplo de como é importante que as pessoas externem o seu desejo aos familiares. “Somente assim será assegurado que o processo de doação se conclua e outras vidas sejam salvas”. A Comissão agradece à família de Wellington e declara o quanto é gratificante ver a solidariedade prevalecer em um momento tão difícil e em especial ao Dr. Aloísio Nascimento e a toda equipe envolvida nos cuidados com o paciente, tanto no bloco cirúrgico quanto na UTI adulto, desde sua entrada no HNSG.

Transplantes em MG

Segundo relatório do MG Transplantes, o número de doadores efetivos de múltiplos órgãos caiu de 245 em 2014 para 232 no ano passado. Enquanto a média nacional de notificações de potenciais doadores é de 47,1, em Minas esse número foi de 27,2. O relatório aponta uma queda no número de transplantes de fígado de 92 em 2014 para 90 em 2015 e de rins de 407 em 2014 para 395 em 2015. O número de transplantes de coração, no entanto, foi o mesmo nos dois paríodos: 39 em cada ano. Já os transplantes de córnea somaram 1267 no ano passado contra 1416 em 2014.

Você sabia?

Desde 2012, a página O Facebook Brasil implementou uma nova funcionalidade, que permite ao usuário se declarar doador de órgãos através da rede social. A intenção é incentivar a doação de órgãos no Brasil, levando o conhecimento do desejo de doação do usuário ao maior número possível de pessoas de sua rede de contatos. A declaração pode ser feita pelo link facebook.com/DoacaodeOrgaos.

Como fazer?

Para compartilhar seu desejo na rede social devera fazer os seguintes passos:
1) Faça login na sua conta do Facebook e navegue para sua Linha do Tempo;
2) Clique em “Evento Cotidiano” na parte superior da Linha do tempo;
3) Selecione Saúde e bem-estar;
4) Selecione Doador(a) de órgãos;
5) Selecione o público que irá ver sua publicação e depois clique em Salvar.

Com Tecle Mídia e Ascom HNSG

Postar um comentário

Regras de comentário:

PROIBIDO
Comentários ofensivos.
Xingamentos.
Palavrões.
Spam.
Comentários sem relação alguma com o conteúdo.
Injúrias.

Tecnologia do Blogger.