O livro Sagarana, de João Guimarães Rosa, completa 70 anos de lançamento em 2016. A obra é considerada uma revolução na carreira literária do escritor mineiro. "Não há um dia exato que marque o lançamento do inovador Sagarana, de Guimarães Rosa. Sabe-se que foi lançado em abril de 1946", destaca O Globo.




Acompanhe a matéria abaixo ou CLIQUE AQUI para entrar no site do jornal. A matéria é de Paulo Luiz Carneiro.

Não há um dia exato que marque o lançamento do inovador "Sagarana", de João Guimarães Rosa. Não houve festa nem noite de autógrafos. De concreto, sabe-se que foi lançado e começou a ser vendido em abril de 1946. Antes o até então pouco conhecido escritor tinha apenas publicado alguns contos policiais na revista “O Cruzeiro” e o inédito volume de poesias “Magma”, que venceu o primeiro prêmio do concurso de poesia da Academia Brasileira de Letras (ABL), em 1937.

Animado com a vitória, ele concorreu com o livro “Contos” ao prêmio Humberto de Campos, da mais prestigiosa editora da época: a Livraria José Olympio. Tirou segundo lugar e o livro ficou engavetado. Até que, em 1946, aos 37 anos, recomendado pelo escritor Marques Rebelo, que havia sido jurado do concurso, o apresenta ao jornalista Caio Pinheiro, dono da pequena editora Universal, que tinha apenas um título em catálogo. Guimarães Rosa retrabalhou alguns dos 12 contos do volume “Contos” e relançou-os com o título de “Sagarana”.

Pouco a pouco as críticas, cada vez mais elogiosas, foram se disseminando nos jornais e em revistas especializadas. A primeira menção do livro no GLOBO foi um anúncio no pé da página 7 do dia 29 de abril de 1946: “O Livro do momento – Sagarana de J. Guimarães Rosa. Já está em todas as livrarias”. No dia 10 de maio de 1946, José Lins do Rego na coluna que mantinha no GLOBO escrevia: “Li todos os contos do novo escritor mineiro e cheguei ao fim da sua última página com a impressão de que há qualquer coisa de realmente grande na sua ficção”. A crítica na coluna “Livros e autores”, publicada na edição do dia 5 de junho de 1946, ressaltava:

“São páginas inesquecíveis e antológicas que nos fazem lembrar, simultaneamente, Euclides da Cunha, através da forma com que nos faz sentir em toda a sua pujança a agressividade do meio ambiente, e Coelho Netto pelo esplendor vocabular”.

As inovações na forma e na linguagem foram saudadas como uma revolução na literatura brasileira. “Sagarana” é uma palavra que não existe, um neologismo. Segundo Rosa é um tipo de cana igual a outras, que existem na mata, mas que não é doce, não tem o menor aproveitamento, ela é só parecida com a cana.

“Sagarana” é dividido em 12 contos, dentre eles: “O burrinho pedrês”, “Sarapalha” e “A hora e a vez de Augusto Matraga”. A primeira edição, de cerca de 3 mil livros, foi vendida em menos de um mês. Além da linguagem inovadora, pela estrutura narrativa e a simbologia dos seus contos, “Sagarana” trazia o regionalismo com um novo significado e assumindo a característica de experiência estética universal.

Sua criação mais respeitada é, sem dúvida, “Grande sertão: veredas”, de 1956, considerada um marco na literatura brasileira, que foi fruto de muitas viagens pelo interior de Minas Gerais em companhia do tropeiro e contador de histórias conhecido como Manuelzão. Além do romance, o mineiro também escreveu os livros “Manuelzão e Miguilim” (1964); “Primeiras estórias”, contos (1962); “Tutameia (Terceiras estórias)”, contos (1967); e “Estas estórias”, contos (1969), entre outras obras.

Guimarães Rosa manteve uma coluna semanal de contos no GLOBO, entre janeiro e agosto de 1961. Entre os vários contos publicados, um dos grandes destaques foi a “A terceira margem do rio”. Grande parte de sua obra foi adaptada para o cinema, o teatro e a televisão. Em 1965, o conto “A hora e a vez de Augusto Matraga” foi vertido para o cinema com direção de Roberto Farias e roteiro de Gianfrancesco Guarnieri. Em 1973, “Sagarana, o duelo” com direção de Paulo Thiago. Mas, sem dúvida, adaptação mais famosa foi a que a TV Globo levou ao ar em 1985 na minissérie “Grande sertão: veredas”, com direção de Walter Avancini e no elenco Tony Ramos, Bruna Lombardi e Tarcísio Meira.

João Guimarães Rosa nasceu no dia 27 de junho de 1908, em Cordisburgo, Minas Gerais. Forma-se em medicina pela Universidade de Minas Gerais. Em 1934 entra para o corpo diplomático do Itamaraty, por meio de concurso. É nomeado cônsul-adjunto em Hamburgo, Alemanha, no ano de 1938. Lá casa-se pela segunda vez com Aracy Moeblus de Carvalho. Serve ainda em Bogotá e em Paris onde é nomeado, em 1948, primeiro-secretário da embaixada na França. Em 1951, retorna o Brasil onde passa a atuar no Ministério das Relações Exteriores. É eleito, por unanimidade, em 1963, para a Academia Brasileira de Letras (ABL), mas toma posse apenas em 16 de novembro de 1967. Três dias depois falece, no Rio de Janeiro, vítima de infarto.

Postar um comentário

Regras de comentário:

PROIBIDO
Comentários ofensivos.
Xingamentos.
Palavrões.
Spam.
Comentários sem relação alguma com o conteúdo.
Injúrias.

Tecnologia do Blogger.